sábado, 28 de janeiro de 2017

Despedida

Pois é, em 2017 completa 10 anos que eu tenho este blog :) É muito tempo, não é?
Este local aqui foi minha terapia por 10 anos. Foi aqui que eu expressei muitas das coisas que me atormentavam. Às vezes essas inquietudes vinham em forma de contos - alguns bem macabros - de outras vezes eram só músicas, mas, no início, tudo vinha com uma dose de pessimismo, ironia e, lá no fundo, tristeza. No decorrer de todo este tempo, assim como em uma terapia, eu percebi muita coisa de mim mesmo: eu mudo todo dia numa metamorfose que não tem fim. 

Eu fiz o blog de forma inconsciente, só queria escrever, não sabia que me ajudaria tanto nessa interação comigo mesmo, afinal de contas, quando eu volto para ler o que escrevi, algumas vezes, eu tenho quase certeza de que foi outra pessoa que o fez. Eu diminui os erros ortográficos, eu conheci novas formas de enxergar as pessoas e o mundo e, tenho certeza, eu me tornei uma pessoa melhor.

Foi a partir de tudo de ruim que eu comecei expondo aqui que as coisas boas foram aparecendo. Eu percebi o quanto de sujeira eu vinha acumulando: rancor, raiva, tristeza em demasia, desejos reprimidos... a minha sombra estava crescendo mais do que eu mesmo. Como tudo nesta vida, eu creio que consegui extrair o lado positivo dessas coisas. E como tudo nesta vida, o mais difícil é conseguir o equilíbrio. Continuo desequilibrado, ás vezes pra cima, às vezes pra baixo, mas a diferença que eu agora eu consigo ter um vislumbre do que pode vir pela frente nessa montanha-russa: se é uma subida ou uma descida. Enganam-se os que pensam que isso torna alguma coisa mais fácil, creio que só mais aceitável...

Olha que interessante: a gente pode falar uma coisa hoje e se arrepender amanhã. Já aconteceu com você? Eu sou muito bom nisso, eu falava tudo o que vinha na cabeça e, às vezes até alguns minutos depois, eu me arrependia. Agora eu falo menos (ainda ainda acho que é muito) e escuto mais. Meu cérebro sempre foi muito bom em arrumar respostas com doses de espinhos. Percebi o quanto era imaturo em fazer isso. Agora eu diminui os espinhos... Ficar calado quando você acha que tá certo é muuuuito difícil. Bom, são lições diárias.

Eu continuo lendo sobre religião, filosofia, sociologia, etc. Tô numa busca constante do auto-conhecimento. Já me machuquei muito por isso, mas também já tive bons momentos de reflexão e aprendizagem, os quais me deixam mais fortes para os próximos machucados. Quanto a isso, uma das melhores coisas aprendidas foi a não dar chance para as notícias ruins. No jornal, na internet, em todo canto vai ter alguém que só vai trazer notícia ruim. Mas se olharmos direitinho sempre há as notícias boas: pessoas ajudando pessoas, meu foco agora é no lado bom.

E o amor? Bem, no início eu via o amor com algo muito ruim. Foi até uma coisa que me chamou atenção quando 'olhei para trás'. Em outro momento já cheguei a pensar que amava todo mundo (que oba-oba é esse?) e agora eu estou aprendendo sobre os vários tipos de amor, que o amor não acaba e que eu fiquei tempo demais com muito amor guardado dentro de mim, ele já estava apodrecendo, o que é muito ruim. A conexão com outra pessoa (independente do tipo de relação) é de uma sensação extraordinária. Dá um frio na barriga de verdade (pelo menos em mim, né?). E isso tudo enquanto os relacionamentos líquidos (RIP) assolam ao nosso redor, por isso, às vezes é difícil manter uma conexão por muito tempo, cada pessoa está em um momento. Acredito que a lição é sempre para ambos...

Mas o blog já deu o que tinha que dar... Acho que ele existiu para me trazer até aqui. Foi meu amigo. Fez a minha transição dos amigos imaginários para algo muito mais real (não estou dizendo que eles não existiram, ouviram!?). Então a despedida chegou. Agora este rio vai encontrar seu ponto final com todos os meus dez anos de mudança. Muito obrigado a todos que acompanharam e mudaram junto comigo, a gente tá aqui pra evoluir e se precisar segurar na mão de alguém quando as coisas ficarem bem confusas, pode segurar na minha. :)


E como tudo é apenas um ciclo que gira e gira. Como eu não conseguiria ficar sem escrever. Eu sei que vou encontrar algum outro meio para cronometrar as minhas mudanças. outro blog? um canal do youtube? um canal onírico transmitido pela consciência coletiva? Eu ainda não sei, mas na hora certa vai aparecer. E eu aviso pra vocês!

Um abraço muito forte com aquele frio na barriga seja lá em que combinação de números binários você estiver! :)

Nenhum comentário: