domingo, 14 de fevereiro de 2016

30 anos não são 30 dias...


O dia de hoje para mim está sendo mais ou menos como o dia em que completei 18 anos. É como passar de uma linha de chegada mas não parar de correr porque essas linhas nunca terminam. Hoje eu olho pra trás e lembro das tolices que eu fazia, da energia gasta com idiotices e futilidades. Você pensa que depois de 18 anos vira adulto. Você pensa que depois de 21 você é responsável e consciente pelos seus atos. Um estudo (http://super.abril.com.br/ciencia/a-velhice-comeca-aos-27) mostrou que a velhice se inicia aos 27 e que aos 30 o cérebro já começa a apresentar uma sensível queda no desempenho. talvez nada disso importe, mas realmente existe algo nessa passagem que mexe com a pessoa.

Serei o Reed Richards
As crianças agora te chamam de senhor. Os cabelos brancos começaram a dizer 'oi', no meu caso eles já disseram 'oi' há alguns poucos anos atrás. Você precisa tomar algumas decisões porque o tempo está passando e não dá pra ficar marcando passo. Onde eu quero viver? Eu quero viver em um lugar só? com quem eu vou viver? Ou vou viver sozinho? Vou querer filhos ou não? Ou apenas um cachorro ou gato pra fazer companhia? Tudo isso tem um agravante que é a liquidez das relações pessoais na era digital. Sim, creio que isto influencia na vida de todos em maior ou menor grau. Você já pode dizer pra um jovem de 16 anos que existem coisas muito mais importantes do que uma calça que custa mais de 300 reais. Você pode dizer que não seu tempo não era assim. E eu estou esperando o momento de dizer: TÁ VENDO ESSES CABELO BRANCO AQUI!!? QUER DIZER QUE EU EXIJO RESPEITO! Ou então TÁ PENSANDO QUE FOI UMA GOTEIRA DE TINTA BRANCA QUE DEIXOU MEUS CABELOS ASSIM!? 

Certas coisas perdem a pressão enquanto outras começar a pressionar, Não se dá mais tanta importância se o amor não é pra sempre, mas que ele seja eterno enquanto dure. As músicas e jorgões começam a fazer tanto sentido que dá um choque quando se ouve, isso porque você realmente passou pela determinada situação e sabe de certeza a sensação. Enquanto para alguns o dinheiro vai ganhando mais importância, para outros ele vai perdendo. Você aprende a olhar de verdade para as coisas e pessoas. Enquanto alguns percebem que a empatia é a forma mais humana de lidar com o próximo, outros vão ficando mais egoístas. Enquanto alguns veem no outro um mundo inteiramente novo, outros veem apenas um pedaço de carne ambulante. Uns vão querendo ficar mais visíveis e outros mais invisíveis. Você vê que religião não define caráter de ninguém. Que tatuagem é muito mais do que um desenho e serve como um escudo, porque a maioria vai olhar pra ela e ver apenas um desenho quando talvez ela mostre um mapa de sentimentos na pele do cidadão (eu acho assim). Cada um vai trilhando seu caminho e aprendendo de um jeito ou de outro. Claro que alguns aprendem certas coisas mais cedo do que outros, mas o aprendizado é pra todos.

Quando eu tinha 15 anos tinha certeza que não chegaria aos 30 e achava que quem tinha seus vinte e tantos anos era uma pessoa velha e mau humorada (sim, estou virando o Lula Molusco e ficando cada vez mais ranzinza). Também lembro quando estudava no ensino médio, creio que no primeiro ano, uma colega da sala me perguntou se eu não iria crescer e deixar de ser criança. Eu respondi que talvez quando eu tivesse 40 anos pensaria nesse assunto. Realmente o tempo passou e em dez anos terei que pensar mesmo. Só que eu tenho muitas coisas para pensar agora, vem comigo:

O dia do aniversário, na medida em que os anos vão passando, vai se tornando mais para pensar do que para comemorar. Claro que a comemoração (da forma que for) é interessante para marcar que você tá aqui depois de mais um movimento de translação da terra ao redor do sol. Que você passou por muita coisa e ainda está vivo(a) enquanto tem tanta gente morrendo. #medo. Mas o dia do aniversário é bom pra fazer uma retrospectiva: o que estou fazendo aqui? No caso dos trinta anos parece que fica mais especial porque o pessoal já espera de você algumas conquistas, o que cai novamente na liquidez das relações e quando o que importa mais parece que é o ter do que o ser. 

Em cada fase surge uma preocupação (ou missão, para enquadrar meus pensamentos em um vídeo game imaginário), por exemplo (mas sem generalizar porque ninguém é obrigado a nada): depois que você termina os estudos vai para a faculdade, depois arruma um emprego, depois está pronto para casar e ter seus filhos e depois continuar trabalhando... Uma vez me disseram que eu era uma pessoa alheia a tudo ao meu redor, acho que acertaram, eu vim vivendo e apenas fazendo as coisas que apareciam na minha frente pra fazer. Agora eu parei pra pensar um pouco mais tranquilo já que o aniversário caiu em um dia de domingo e estou de folga. Não devemos viver como um robô. na verdade devemos buscar a felicidade. saber o que te faz feliz e ir em busca. Eu não sabia por que estava aqui, ainda não sei, mas depois que pensei nisso ficou mais fácil suportar a falta da resposta (na verdade a reposta é 42, a pergunta pra ela é que ninguém descobriu). 

Cada vez mais acredito que vivemos e somos um paradoxo. Um bonito paradoxo que vai ficando cada vez mais complexo na medida em que buscamos entendê-lo. 

  


Nenhum comentário: