sexta-feira, 8 de maio de 2015

Humanos em primeiro lugar

Infelizmente não é possível definir a índole das pessoas por suas profissões. No nosso imaginário popular, se posso usar este termo, dizemos que determinadas profissões são consideradas especiais para a população, que são pessoas especiais que as exercem. Mas é errado dizer isso. A profissão pede determinadas capacidades das pessoas que vão exercê-la, mas, como todos estamos percebendo, o ser humano (nós) é totalmente imprevisível. Em um momento estamos cheios de amor tentando proliferar a paz e a bondade (nem todos fazem isso) e no outro momento estamos estressados desejando que o próximo seja punido e julgando até o porquê (na nossa sábia opinião)
o outro esta usando determinada roupa (como isso pode incomodar, né verdade?).


Então, sabendo que estamos lidando com seres instáveis, coloque-os em qualquer profissão e você perceberá que não somos robôs (alguns de nós), que todos erram e que uma classe inteira não pode ser julgada pelas suas exceções e nem pela sua maioria. Nós temos que aprender a lidar com nós mesmos, a nos compreender, a criar uma coisa chamada empatia. Sempre me pergunto se o mundo está se dirigindo pra um buraco negro ou se isso tudo que está acontecendo (não preciso citar aqui) faz parte da evolução. Olhando para trás vemos quantas guerras (avisos humanos) e quantas catástrofes naturais (avisos da natureza) nós, bravos seres humanos, já passamos. Alguma coisa mudou? Sim, mudou. Mas só se percebe que algo minimamente mudou quando você se coloca no lugar do outro, quando você vê que tem gente que ainda se preocupa com o próximo, que ainda sabe o verdadeiro sentido da palavra amor. 

Já falei antes que somos um saco de bondade e maldade que se mistura todo o tempo, independente da profissão nós somos humanos, temos nossos altos e baixos, temos a necessidade de mostrar nossos anseios, tristezas e conquistas (as redes sociais que o digam). Por trás de uma farda, de um cargo ou de um terno e gravata existe um saco de carne, ossos e uma alma, existe um universo inteiro que se confronta com seus aspectos internos e com os externos, que cultiva o amor e o ódio. Julgar é fácil pra quem tem uma consciência suja. 

Portanto (como nas redações), existem pessoas boas e ruins em todo lugar. Não ache que a profissão faz a pessoa porque algumas (para não generalizar) pessoas escolhem sua profissão primeiramente pensando no dinheiro independente se vão lidar com vidas ou com roupas. A cada dia que passa vou chegando a uma conclusão - que ainda vai demorar muito para se concluir, se é que um dia vai - de que somos todos um paradoxo cada um a sua maneira, cada um no seu mundo particular e secreto. 

Nenhum comentário: