domingo, 29 de agosto de 2010

Abstrações

Agora que eu vejo o que eu sempre fazia (e continuo fazendo) com o mundo ao meu redor: Eu abstraio. Já vou dizendo que é complicado explicar...
Abstrair é mais ou menos o seguinte: é você enxergar uma situação (ou qualquer outra coisa) de um jeito só seu. Imaginário. Só perceptível para você. O problema é quando você se dá por canto (ou alguém diz pra você) que você está num mundo completamente fora da realidade, como falei certa vez no castelo de ar. E quando chega nesse ponto fica meio complicado voltar para o mundo real (eu ia chamar o mundo real de maldito...). É muito bom abstrair. É muito bom viver num mundo só seu, mas é errado, como todas as coisas boas são erradas (algumas, para não generalizar). E vai muito mais além. Eu escrevi agora porque meus amigos imaginários pediram...

Falando nisso, vou ter que matá-los. Estou triste quanto a isso, e eles também [rs]. Mas parece ser a coisa que tenho que fazer. Vou escrever um livro em memória deles, enquanto os mato, e eles vão me ajudar, como sempre.


Pronto, falei!

sábado, 14 de agosto de 2010

Conto rápido - A mulher de branco

Márcio estava em frente a porta do banheiro feminino onde tinha a seguinte frase:

"Cuidado! Pergunte antes se a mulher de branco está."

__ Quem tá aí? __ Perguntou Márcio.
__ A mulher de branco. __ Disse uma voz feminina.
Para confirmar, Márcio entrou no banheiro.
Viu um corpo em pé, o corpo de uma mulher loira vestida num vestido branco e totalmente ensanguentada. O rosto era uma mistura de carne, cabelos e dentes. Os pés não tocavam no chão, e sim ficavam levitando a poucos centímetros.
Márcio desmaiava enquanto ela estendia seus braços quebrados para abraçá-lo para sempre.