terça-feira, 25 de maio de 2010

Falando sozinho...


Hoje eu fui de moto para a faculdade, logo de manhã, e percebi duas senhoras, em locais diferentes, que estavam falando sozinhas, ou melhor, eu não vi ninguém conversando com elas, mas como eu também tenhos duas pessoas com as quais converso e as pessoas não veem, então não posso julgá-las...

O que me emocionou foi a espontâneidade que elas tinham na conversa, gesticulavam, sorriam e caminhavam na brilhantina da vida [não sei porquê escrevi isto...O.o]. Uma estava na rua, numa parte comercial da cidade. Um senhora de vestido rosado e cabelos brancos que esvoaçavam ao vento. A outra estava já numa parte mais rural, na beirada da pista, não era tão senhora. Tinha os cabelos crespos e esta, quando passei na minha moto [O nome da minha moto é o de um pokémon e eu esqueci agora...] na maior velocidade, sorriu para mim. Bom, meus amigos, que vinham voando do meu lado, disseram que ela e apessoa com a qual conversava sorriram para eles dois e não para mim...

Então me perguntei o que leva a uma pessoa começar a conversar com seres imaginários... Eu ainda não sei o que me levou a fazer isso. Talvez a terapia ajude a descobrir... Mas e quem não pode fazer terapia? Será que meus amigos imaginários ficaram para sempre comigo? São tantas perguntas que rondam minha mente confusa... :s

Um comentário:

Juh S. disse...

Eu n"ao converso com pessoas imaginarias, mas com pessoas que existem mas que não estão la comigo no momento que converso sabe?
as vezes enquanto ando na rua, para me distrair, invento dialogos, ensaio reclamaçóes, imagino discussões, reflito comigo mesma(eu conversando com outra eu) sobre fatos acontecidos...
o fato deu escrever num caderno aumenta essa minha retorica... como se eu recontasse o que eu vivvo, o que sinto...

e qual o mal nisso?

nos descobrimos assim.