quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Selva da Sedução Nº 2


Desta vez aconteceu numa lanchonete!
Sim. Em uma lanchonete. Um local pacato e tranquilo onde as pessoas vão se alimentar, pois não tem tempo de ir para casa devido a correria do dia-a-dia. Era noite [aconteceu agorinha, pra falar a verdade] e fui comprar um singelo suco para viagem. Enquanto fiz meu pedido e esperei, eis que surge aquela felina sede de observação. Alguma coisa estava acontecendo naquela lanchonete onde o balcão quandrangular servia de "balcão" para os famintos e no centro do quadrado havia a pequena cozinha improvisada onde alguns homens preparavam os lanches.

Um homem do meu lado esquerdo olhava para alguma pessoa do lado direito de uma forma tão focada que não havia forma de tirar sua concentração. Uma barata voadora [ou algo do tipo] começou a voar pelo teto da lanchonete e se debatia freneticamente tentando encontrar a saída. Depois duas mulheres chegaram e se entaram do meu lado, começaram a conversar [eu nem ouvi direito sobre o que era, não sou tão curioso]. Outro cara que estava do lado direito do balcão olhava para as garotas de forma disinibida e aí percebi que o homem do meu lado esquerdo olhava para este cara desde o início...

Na verdade eu queria que a barata voadora voltasse e pairasse sobre a cabeça de uma dessas mulheres... Eu queria ver a confusão, eu queria ver o caos...

Peguei meu suco e fui embora deixando para trás aquele local que eu sempre pensei que só servisse para servir lanche, mas o sexo, como sempre e como em todos os locais, estava à espreita...

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

"E de tantos outros caminhos...

...Eu fui escolher logo o do mal."



E a culpa, se alguém tiver alguma culpa nisso tudo, é minha!
Você não escolhe o caminho do mal por que quer, escolhe? Acho que sim, mas algo diz que não [alguns de meus amigos imaginários, talvez]. Será que foi o determinismo que me fez e está fazendo com que eu siga este caminho? Talvez todo mundo, em algum momento da vida, tem que decidir se vai ser bom ou mau pelo resto dos dias; talvez o mundo precise mesmo de pessoas boas e de pessoas ruins para que haja o pleno equilíbrio... E eu escolhi [eu escolhi] o lado do mal.
Mas vejam que eu não o estou trilhando sozinho. Talvez nem seja tão ruim assim, já que foi uma escolha minha. Talvez eu não tenha a salvação [se bam que essa parte é mais complexa para se falar, acho que todos merecem a salvação... não falo isso para me defender não...]

O que seria o caminho do mal?
Isso deve ser diferente para cada pessoa [eu acho]... Eu mesmo decidi trilhar este caminho, mas ainda nem me adaptei direito: sinto remorso, arrependimento, culpa... Tudo isso por coisa pouca. Ainda não tenho capacidade de falar nas coisas perversas e mudanas que venho fazendo desde quando decidi caminhar no fogo [como disse, ainda tenho alguns sentimentos "humanos" de mais para dizer de peito aberto que sou uma pessoa do mal...].

Não quero machucar pessoas - emocionalmente - e talvez eu acabe machucando [outra coisa que vou ter que aprender a não sentir remorso]. Não quero que a vida acabe rápido - às vezes - mas de vez em quando me mato um pouco quando fumo um cigarro. Não quero fazer transparecer demônios que vivem em mim para assustar as pessoas, mas quando bebo eles aproveitam para sair e acabar com a minha raça [¬¬, pesado]... E as pessoas se assustam, pessoas que eu gosto [se eu quiser ser do mal mesmo eu não poderia ter dito isto, para ser do mal de verdade não se pode gostar de ninguém...].

É... E a vida vai seguindo... Por enquanto eu estou vendo dois caminhos na minha frente numa bifurcada língua de cobra: Um que é cheio de fogo, perigos e diversões insanas e outro que é azul e branco com uma brisa suave e calma. Já tenho um pé no fogo...