sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Brincando de Harry Potter


Roger tinha 15 anos de idade. Completamente viciado em Harry Potter, já lera todos os livros e todos os filmes lançados até agora. Já até fez uns vídeos de algumas cenas dele como Harry Potter.
Roger era fanático pela série, sentia-se um bruxo nato. Não era como os trouxas... Geralmente era chamado atenção na escola por estar com um pedaço de pau, sua varinha mágica, no lugar de estar prestando atenção à aula.
__ Roger! __ Advertiu a professora pela segunda vez. __ largue esse pedaço de pau e preste atenção à aula!
__ Isto não é um pedaço de pau, sua imbecil! __ Bradou Roger contrariado. __ A minha varinha é feita de madeira de salgueiro!
Todos riram dele.
Meses depois, Roger já não queria mais ser chamado de Roger, e sim de Harry Potter e ainda andava pela casa com um capuz, como o do filme.
No jantar, em sua casa, sua mãe servia enquanto falava:
__ Roger, eu acho...
__ Meu nome é HARRY POTTER! __ Gritou Harry ouriçado.
__ Harry. __ Começou sua mãe. __ Os professores da sua escola estção dizendo que você não anda fazendo seus deveres de casa e que fica com um pedaço de pau...
__ É UMA VARINHA MÁGICA! UMA VARINHA DE CONDÃO!
__ Você tem que parar com isso, Harry Potter! __ Disse sua mãe imponente, mas com um medo danado passando por sua espinha.
O Psiquiatra de Roger disse para a mãe que ele não deveria ser contrariado, mas se isso não passasse, esta obsessão por Harry Potter, ele teria que ser internado.
__ Você quer que eu prove que a minha varinha é a melhor? __ Perguntou Harry com um olhar louco e tirando a varinha do bolso da calça.
__ Roge... Quero diz, Harry Potter, o que você vai fazer? __ Perguntou a mão amedrontada.
__ Wingardium Leviosa! __ Bradou Roger girando e depois apontando a varinha para uma garrafa térmica que estava em cima da mesa.
A garrafa levitou no ar, até perto do ventilador no teto da cozinha. Depois a garrafa caiu na mesa com um estrondo seco quebrando alguns pratos. A mão de Roger ficou impressionada e quase chorou de medo. Roger foi para o quarto sorrindo.
No dia seguinte, depois da aula, a mãe de Harry estava certa de mandar interná-lo. Enquanto isso, na escola.
__ Bom dia. __ Disse a professora. __ Como todos sabem, hoje é o dia da apresentação do trabalho de História...
O burburinho tomou conta da sala. Todos conversavam para saber quem iria apresentar.
__ Eu apresento, professora! __ Pediu Roger.
__ Muito bem, Roger. __ Disse a professora.
__ Meu nome é Harry Potter.
Todos riram. Mas Harry se controlou. Ele tinha uma surpresa para a turma toda.
__ Bem... Hogwarts não está mais tão segura como antes... Dumbledore disse que Voldemort está de volta para acabar comigo. Mas eu tenho uma arma secreta que vou mostrar para vocês agora.
__ Essa criatura está comletamente insana! __ Disse uma menina.
__ Tira esse maluco daí, professora. __ Disse um rapaz.
__ Roger... __ Dizia a professora, mas Harry Potter já conjurava um feitiço girando sua varinha.
__ Bombarda Maxima! __ Gritou Harry.
Por um segundo todos continuaram olhando para ele, nada acontecera, até que tudo explodiu. Os corpos voaram para fora da escola, a sala estava em pedaços. Alguns alunos ainda corriam em chamas e gritavam por socorro. Aos poucos a escola começava a ser evacuada. A turma de Harry Potter foi dizimada por um feitiço.

Depois do enterro simbólico, pois os corpos haviam sido destruídos com a explosão, a mãe de Roger achou um fio de nylon pendurado no ventilador da cozinha, era como Harry Potter tinha feito o feitiço com a garrafa térmica. Indo até o quarto dele, ela achou alguns métodos de como montar uma bomba caseira e também um curso à distância de como se tornar um homem bomba, foi como ele conseguiu lançar o feitiço na escola...