quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Aparências

Às vezes se é um lobo em pele de cordeiro... Ou não.




Chega um momento na vida de uma pessoa que ela se cansa de viver para os outros e começa a viver para si.


Chega um momento da vida de uma pessoa que ela percebe que as coisas são mais sérias do que se imagina.


Mentiras acabam e a verdade parece doer, mas é uma dor libertadora, que livra da ingenuidade.
Quando se chega ao limite de suportar tanta mentira, de se ver cercado de tantas máscaras que na verdade querem estereotipar algo que não são, de passar a agir de forma diferente do seu normal para agradar a outros. Quando se chega neste limite você é capaz de olhar para trás e ver o que mudou na sua vida. Ver como foi triste ter deixado de fazer alguma coisa no passado que poderia tê-lo deixado mais feliz hoje.


É como uma dupla-personalidade. Em um ambiente você é comportado e obediente e em outro você é você mesmo. Mas aos poucos isso de viver de aparências vai te corroendo, aí, ao invés de você estar enganando aos outros estará enganando a si mesmo, e quando chegar a esse ponto será difícil voltar e tentar de novo.


Quantas vezes um sorriso não mostra sofrimento? Sempre mostre um sorriso, mesmo na pior situação. Quantas vezes um aperto de mão não é um pedido de ajuda? Seja cordial e cumprimente a todos. Quantas vezes o desespero não se escondeu atrás de um rosto feliz? O mundo é feliz, dizem por aí.


Faça o que você quer, pense no que quiser, vá para qualquer lugar e não se prive de ser feliz por causa de regras da sociedade, pois a única coisa que ela quer é um vasinho bonito para mostrar.
Não quero ser tão pessimista ao ponto de dizer: Oh! Que mundo feio e cruel! Tudo é uma mentira, nada presta... Também não precisa chegar ao extremo, ainda, mas só deixar a aparência de lado e ser quem se é em qualquer lugar que se esteja. Ter caráter e um ideal. Não se deixar levar pelas aparências dos outros, largar a ingenuidade e começar a ter uma postura fixa, a sua idéia é a sua idéia e ela não é nem melhor nem pior que a de ninguém.


Ter caráter para manter seus ideais em qualquer situação e mais ainda ter a humildade de saber quando se está errado. O mundo é um lugar caótico e cada um é que deve saber se ele é um lugar bom ou ruim de viver, e se for ruim, cabe a cada um tentar fazer dele um mundo melhor. (Não sabe como foi difícil pra mim escrever esta última frase...)